skip to Main Content

Como e porque fazer compatibilização de projetos com BIM

A tecnologia BIM potencializa muito os resultados de compatibilização de projetos, descubra como e porque   

Quem já esteve diante do desafio de fazer uma compatibilização de projetos de uma construção civil sabe que esta pode não ser uma tarefa simples, principalmente quando trabalha-se com a metodologia mais tradicional de análise do mercado: sobreposição de projetos 2D.

O objetivo da compatibilização de projetos é estabelecer uma relação viável entre os projetos de arquitetura, estrutura e instalações (hidrossanitárias, elétricas, de gás, climatização, etc..). Ou seja, permitir que se executados conforme projetados, não existam interferências em obra.

Isso além de evitar o desperdício de tempo e material, também facilita o trabalho do engenheiro de obra e, de maneira geral, ajuda quem constrói a entregar um produto melhor.

A utilização do BIM facilita, e muito, este processo

Para ilustrar este argumento vou utilizar um exemplo bastante crítico que me deparei recentemente compatibilizando um edifício Minha Casa Minha Vida (MCMV) para uma incorporadora de Chapecó/SC, em parceria com a Premier Engenharia:

  • Considere a análise de uma planta de formas com uma densidade  muito alta de vigas de diferentes alturas;

  • Imagine também um projeto hidrossanitário cujos principais deslocamentos horizontais precisam ocorrer precisamente abaixo deste nível repleto de vigas;

  • É preciso sobrepor os dois projetos, analisar os cruzamentos em 2D, avaliar a informação do entrepiso do pavimento abaixo, da altura das vigas (e desníveis, quando houver), cruzar com a informação da altura da tubulação (muitas vezes não indicada) e , ainda, considerar a inclinação da tubulação.

Veja as plantas em 2D abaixo, para visualizar a situação:

Planta de formas de um pavimento tipo do empreendimento (Fonte: Acervo Pessoal)

Planta do hidrossanitário de um pavimento tipo do empreendimento (Fonte: Acervo Pessoal)

Agora, abaixo, temos uma imagem do modelo BIM estrutural e hidrossanitário, devidamente compatibilizado. Fica evidente a diferença de eficácia das metodologias, não fica?

Compatibilização em BIM de um edifício MCMV (Fonte: Acervo Pessoal)

A simples criação de modelos 3D já facilita, incontestavelmente, o processo de compatibilização, já que a visualização 3D encurta os caminhos de interpretação de desenho. Os benefícios aumentam ainda mais se considerarmos que  tais modelos estão munidos com informações precisas de projetos, e não são apenas visuais, são técnicos.

Tudo isso faz com que o projeto se torne mais preciso desde sua concepção, já que o modelo fornece mais informação para as tomadas de decisão do projetista. Considerando ainda a informação associada ao modelo, algo que sempre reforçamos aqui no BIM na Prática como sendo a parte mais importante do BIM, é possível ainda automatizar diversos processos ligados à compatibilização.

O exemplo mais claro dessa automatização é o Clash Detection, feature disponível no software Navisworks, da Autodesk, por exemplo. Configurando a ferramenta de acordo com o objetivo da análise, o software detecta automaticamente todos os cruzamentos entre elementos do modelo.

Exemplo de detecção de falha na compatibilização (Fonte: Acervo Pessoal via Navisworks)

Dicas de como fazer e por onde começar​

Um dos pontos mais importantes da compatibilização de projetos é sempre a interferência do projeto hidrossanitário com a estrutura, sendo a furação de vigas algo que sempre busca ser evitado ao máximo pelas construtoras.

Um modelo BIM bem construído permite a realização de estudos para os encaminhamentos hidrossanitários, otimização de furação de vigas e ainda emissão de um material rico orientando a furação quando necessária, para que seja prevista ainda durante a concretagem. Desta forma é possível evitar a necessidade de furos depois de executada a estrutura.

Outros pontos importantes que sempre se destacam neste processo, são os estudos de shafts e de caminhamentos de tubulação de ar condicionado. O primeiro é muito importante pois normalmente envolve muitas disciplinas diferentes de projetos, comumente concebidas sem comunicação entre as partes. O segundo por raramente ser estudado durante a fase de projeto civis no brasil.

Conclusão

Além de todos os ganhos de tempo e dinheiro com as reduções de erro na etapa de execução, a realização de uma boa compatibilização ainda traz benefícios para a esfera de planejamento e orçamento de obras.

Como falamos no nosso post sobre orçamento de obras, um modelo compatibilizado colabora diretamente na assertividade dos quantitativos de obra, melhorando os resultados de previsões de custo e de compras de suprimentos.

Tendo em vista todos os pontos práticos vistos, pode-se dizer que as vantagens da compatibilização de projeto para a execução de uma obra são incontestáveis e os resultados deste trabalho com a utilização de BIM são potencializados a uma escala ainda maior.

Guilherme Pelizza

Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Santa Catarina, trabalha com gestão da construção desse 2012. Em 2015 co-fundou a Integra Contrução Inteligente, que aplicava BIM para soluções de compatibilização de projetos, orçamento e planejamento de obras. Há dois anos é coordenador de projetos na Canteiro AEC, onde gerencia e compatibiliza projetos utilizando BIM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top