skip to Main Content

Como escolher um software de BIM

Existe uma profusão de dicas na internet para dizer que o Revit desempenha determinada função. Não seria hora de se perguntar se não há outra software de BIM mais adequado para seu objetivo?

Como já destacamos em um outro artigo nosso “Revit é BIM?“, muitas pessoas acabam associando a ferramenta Autodesk Revit a metodologia BIM. Entretanto, um fenômeno que percebemos frequentemente é a de pessoas que compreendem melhor a metodologia BIM mas ainda insistem em utilizar o Revit para dezenas de tarefas para as quais ele talvez não seja a escolha mais adequada para um software de BIM.

Para se ter uma ideia, em um já bastante citado estudo feito pela Pennsylvania State University foram levantados alguns usos possíveis dos modelos BIM dentro etapas de projeto, construção e operação da edificação:

  • Projeto:
    1. Modelagem de condições existentes
    2. Análise de implantação
    3. Criação e concepção
    4. Validação de códigos e normas
    5. Coordenação 3D
    6. Análise de engenharia
    a. Análise energética
    b. Análise estrutural
    c. Análise luminotécnica
    d. Análise de climatização e outras
    7. Avaliação de sustentabilidade – LEED
    8. Definição do programa de necessidades
    9. Design Review – Revisão crítica
    10. Estimativa de custo
  • Construção:
    11. Planejamento da ocupação do canteiro
    12. Projetos de sistemas construtivos
    13. Fabricação digital
    14. Controle e planejamento 3D
    15. Planejamento de etapas de construção/implantação – 4D
  • Operação:
    16. Programação de manutenção preventiva do edifício
    17. Análises dos sistemas do edifício
    18. Gestão do edifício
    19. Gerenciamento dos espaços
    20. Planejamento da desativação do edifício
    21. Modelo final consolidado

 

Além disso, podemos utilizar o BIM em edificações e obras de infraestrutura de todos os portes e configurações, desde túneis à terminais aeroportuários, como o de Londrinaprimeiro aeroporto onde o BIM foi empregado pela Infraero.

software de BIM no aeroporto de Londrina

Modelo do Aeroporto de Londrina feito em um software de BIM (Fonte: INBEC)

Selecionando e usando um software de BIM diferente

Temos diferentes configurações que escritórios e empresas da construção podem apresentar. Desde o ponto de vista de recursos financeiros, passando pelo perfil de cliente mais comum até a estruturação de seus processos internos.

Por isso, não parece natural nem racional que um único software de BIM possa abraçar todos esses usos, objetivos e situações tão diversos.

Na realidade, os softwares de BIM disponíveis são inúmeras e podem acabar se apresentando otimizadas para determinados fins bastante específicos, desde ferramentas específicas para dimensionamento de sistemas elétricos prediais como o QiElétrica da AltoQi até softwares especializados em projetos de infraestrutura como os da Bentley e ferramentas na nuvem para disponibilização de arquivos e modelos em obra.

Claro que o software de BIM que você melhor domina pode ser a mais rápida para desempenhar uma determinada tarefa em um primeiro momento, entretanto é importante sempre se questionar se esse software é o que melhor se encaixa dentro do seu fluxo de trabalho e metas de produtividades atuais.

Além disso, não se limite a escolher um software e necessariamente ficar com ele para sempre! Tanto o fluxo de trabalho, como as metas, e os próprios softwares mudam com o tempo, exigindo sempre uma análise crítica das escolhas que foram feitas.

Plataformas poderosas como o Autodesk Revit ou o Graphisoft Archicad apresentam de fato muita flexibilidade e interfaces amigáveis para explorar novas possibilidades de uso, mas muitas vezes um determinado objetivo pode ser alcançado de maneira muito mais rápida e com maior qualidade se fazermos uso de softwares especialmente desenvolvidos para esse fim.

Open BIM

Iniciativa Open BIM de fomento à colaboração de projetistas (Fonte: Open BIM)

A importância da Interoperabilidade

Ao fazermos uso de softwares de BIM distintos, e ainda mais de fabricantes diferentes, a interoperabilidade (se você não conhece o termo, leia este post!) ganha um destaque especial para integrar essas diferentes ferramentas dentro de um processo sem grandes perdas de informação e retrabalhos.

Tal fato é, inclusive, natural conforme o aumento do nível de maturidade do escritório com os processos e softwares de BIM, ampliando assim o escopo de atuação e a produtividade da equipe ao abraçar as possibilidades da iniciativa OpenBIM.

  • Veja neste vídeo uma explicação mais detalhada da iniciativa.

Dessa forma, apresenta grande variedade de famílias desenvolvidas e fornecidas pelos próprios fabricantes. Plugins são oferecidos para as ferramentas SketchUp, Revit, ArchiCAD e AutoCAD. A partir da versão 2017 Service Pack 1, o Vectorworks oferece o catálogo do BIMObject incorporado a sua interface.

Assim, é aberto um mundo onde temos a possibilidade de utilizar o software de BIM que melhor se encaixam com a nossa necessidade e não moldar a nossa necessidade conforme as possibilidades de um determinado software de BIM.

Matheus Bracht

Engenheiro Civil formado pela UFSC com período de intercâmbio na TU München. Estuda BIM desde 2011 quando era bolsista do Programa de Educação Tutorial. Atualmente é gerente BIM da Portal Engenharia, escritório especializado em projetos integrados de instalações complexas, onde supervisiona a criação de modelos, define processos, padrões e templates e realiza pesquisas em interoperabilidade, gestão de projetos e integração de modelos BIM com simulações energéticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top